R.I.P. – B.B. King

Riley Ben King, mais conhecido como B.B. King, morreu aos 89 anos, na noite desta quinta-feira (14), em sua casa em Las Vegas, nos Estados Unidos. A informação foi confirmada à revista “Variety” pelo advogado do músico.

King era conhecido como o “Rei do Blues” e foi responsável por definir o som eletrificado do gênero no pós-guerra. Ele também se tornou o nome mais conhecido do blues mundialmente e o responsável por levar o estilo das áreas rurais dos Estados Unidos para a indústria musical mundial. “Ser um cantor de blues é como ser negro duas vezes”, escreveu King em sua autobiografia, “Blues All Around Me”, sobre a falta de respeito ao estilo musical em comparação ao rock e jazz. “Enquanto o movimento de direitos civis lutava pelo respeito ao povo negro, eu sentia que estava lutando pelo respeito ao blues”, acrescentou. O guitarrista era membro do Hall da Fama do Rock and Roll e do Hall da Fama do Blues e foi considerado um dos maiores guitarristas de todos os tempos (em 2003 foi classificado como o número três de todos os tempos pela revista “Rolling Stone”, atrás apenas de Jimi Hendrix e Duane Allman). Com mais de 50 álbuns, milhões de discos vendidos em todo o mundo e 15 prêmios Grammy, o músico ficou conhecido por sucessos como “Three O’Clock Blues”, dos anos 1950, “The Thrill Is Gone”, de 1970, “When Love Comes to Town”, que gravou em 1989 com os irlandeses do U2. Além disso, influenciou muitos guitarristas, incluindo Eric Clapton.

Doença
King esteve hospitalizado no início do mês por desidratação e complicações de sua diabetes tipo dois. Ele estava com uma turnê marcada para 2014, mas teve que desmarcar os shows por causa da doença. Durante uma apresentação em Chicago em outubro, o músico passou mal no palco devido a desidratação e esgotamento. Ainda faltavam oito apresentações para terminar a temporada. O astro passou vários dias internado no início de abril em virtude de uma desidratação causada pela diabetes. No dia 30, o guitarrista chegou a novamente dar entrada em um hospital em Las Vegas por conta de um pequeno ataque cardíaco. No dia seguinte, ele deixou o centro médico e seguiu com o tratamento em casa. “Estou com cuidados médicos em minha residência em Las Vegas. Obrigado a todos vocês pela torcida e orações”, declarou em seu site recentemente.

BBBANNA002

Trajetória
King nasceu em uma fazenda de algodão em setembro de 1925, no Mississipi. Foi criado pela avó e comprou um violão para animar as noites de sua casa, que não tinha energia elétrica. Autodidata, iniciou sua carreira na música quando conseguiu se apresentar no programa de rádio do lendário Sonny Boy Williamson, em 1948. Logo depois passou a ter um quadro de dez minutos dentro da programação da emissora. O apelido B.B. seria uma sigla de “Blues Boy” (garoto do Blues), enquanto seu sobrenome “King” significa Rei, pseudônimo que ele usava em seu programa de rádio. Em 1952, estourou nacionalmente com seu sucesso “Three O’Clock Blues”. A partir daí, o guitarrista emendou um hit atrás do outro e passou a ser o maior astro do blues. Em 1969, conseguiu mais visibilidade ao ser convidado pelos Rolling Stones para abrir os show da turnê que a banda inglesa fez pelos Estados Unidos. Apesar dos problemas de saúde, King vinha se apresentando regularmente, mesmo tocando sentando o tempo todo. Nos últimos anos, fazia cerca de 100 shows por ano e veio ao Brasil cinco vezes, a última em março de 2014. Uma de suas marcas, o rei tinha o costume de chamar suas guitarras de Lucille. O apelido carinhoso surgiu quando King enfrentou um incêndio em um show para salvar um de seus instrumentos. O fogo começou depois de uma briga entre dois homens do público por causa de uma mulher que se chamava Lucille. A marca de instrumentos Gibson fez uma linha exclusiva de guitarras com o mesmo nome para King. O Papa João Paulo 2º chegou a ganhar um exemplar das mãos do músico. Era conhecido por usar poucas notas em suas canções. Com influências de Blind Lemon Jefferson e T-Bone Walker, entre outros, o “vibrato”, a precisão de sua pegada, sua sutileza e o domínio das pausas, as “dead notes”, transformaram o som de “King” em um componente fundamental do vocabulário musical, do qual beberam figuras como Eric Clapton, George Harrison e Jeff Beck e que o levou a entrar para o Hall da Fama do Rock and Roll Hall em 1987. Esses ingredientes permitiram que B.B. King transitasse entre o blues, o swing e o pop mais comercial. “Quando canto, estou tocando em minha cabeça; assim que deixo de cantar com a voz, na realidade continuo ‘cantando’ através de Lucille”, revelou uma vez King. Seu legado musical também teve continuidade com a inauguração de vários clubes de música com sua própria assinatura, sendo o B.B. King’s Blues Club de Beale Street, em Memphis, o primeiro a abrir suas portas em 1991. Ao longo da carreira ganhou 15 Grammys, sendo o último em 2009 pelo álbum “One Kind Favor”. De acordo com o site da premiação, ele é o quarto músico que mais ganhou o troféu.King se casou em duas ocasiões. Primeiro, com Martha Lee Denton, entre 1946 e 1952, e depois, com Sue Carol Hall, de 1958 até 1966. O artista deixa 14 filhos e mais de 50 netos.

b9e35d61e0424a8f3b02192755b84

Maus tratos da empresária
Uma das três filhas da lenda do blues B.B. King acredita que o pai, de 89 anos, sofria de maus tratos de sua empresária de longa data, Laverne Toney. Patty King falou ao site norte-americano TMZ, que publicou a denúncia no dia 1º de maio deste ano. A filha de B.B. King chamou a polícia no dia anterior para resolver um impasse sobre a hospitalização do pai –ela era favorável e a empresária, contra. Segundo o TMZ, Patty e Laverne vinham travando uma enorme batalha para decidir sobre os cuidados do cantor e guitarrista. Isso porque a empresária tem poder de representação sobre B.B. King. Patty informou, de acordo com o site, que o pai não estava comendo e que seu xixi estava laranja. Os policiais acionados chamaram os paramédicos, que concordaram que o músico deveria passar por uma avaliação médica. A filha do músico chegou a recorrer à justiça para tornar-se representante legal do pai, mas um juiz decidiu que não havia nenhuma evidência de que o guitarrista estava sofrendo abuso. A decisão manteve a empresária Laverne Toney no controle legal dos negócios do músico.

Anúncios

Balões de pensamento!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: